quinta-feira, 29 de junho de 2017

PMs do Ceará também querem usar armas do governo nos dias de folga

Entidades ligadas às policias civil e militar estão reunidas com o secretário de Segurança Pública, André Costa, para discutir o armamento utilizado pelas corporações.

O principal ponto abordado na reunião foi o fato de policiais militares não utilizarem o armamento pertencente ao estado mesmo em horário de folga. A reportagem é do Jornal Jangadeiro, da TV Jangadeiro/SBT.

Segundo o presidente da Aspramece, Pedro Queiroz, a promessa vem desde a gestão anterior da secretaria de Segurança Pública. Atualmente, para um PM ter uma arma em tempo integral é preciso comprovar que sofre ameaças ou vive em área de risco.

“Um policial militar, da hora que ele toma posse no estado até o dia que morrer, ele é policial. Ou em serviço ou de folga ele tem que agir em defesa da sociedade e, para isso, ele tem que ter o equipamento necessário para combater o crime”, diz Pedro Queiroz.

A situação da Polícia Civil é diferente. Todos já recebem armas assim que concluem o curso de formação. O problema é que, segundo o presidente do sindicato da categoria, Francisco Lucas, os modelos atuais não são discretos, o que expõe o policial civil a riscos. “O policial não trabalha de farda, ele trabalha à paisana, então deveria zelar pela descrição, inclusive na guarda dessa arma, e a PT 100 é muito volumosa”.

A 24/7, também da marca Taurus, é ainda mais perigosa, segundo os policiais civis. Tanto que a marca encerrou a fabricação desse modelo, mas ainda existem agentes que usam as disponibilizadas pelo Estado. Há relatos até de que elas tenham disparado sozinhas. A solução seria que o estado licitasse para os policiais civis armas ponto quarenta, de modelos menores, como a 640.

Veja mais detalhes na reportagem do Jornal Jangadeiro, da TV Jangadeiro/SBT:
 
 


Fonte Tribuna do Ceará