domingo, 10 de junho de 2018

Bolsonaro acusa Datafolha de passar vexame por causa de pesquisa


Em vídeo publicado em sua conta no Twitter, o deputado federal e pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL-RJ​) disse que o Instituto Datafolha passou vexame com sua nova pesquisa eleitoral, divulgada neste domingo (10)."Datafolha, continua pagando vexame. E, com toda certeza, recebendo algo de muito bom de seus patrocinadores", disse o parlamentar.Ele comparou o resultado do Datafolha com a sondagem feita pelo DataPoder360, publicada na última terça-feira (5).

Segundo o Datafolha, em cenários sem o ex-presidente Lula (PT), Bolsonaro lidera a corrida presidencial com 19% das intenções de voto. Marina Silva (Rede) tem 15%, Ciro Gomes (PDT) oscila entre 10 e 11% e Geraldo Alckmin (PSDB), 7%. Foram ouvidos 2.824 eleitores de 174 municípios na quarta (6) e na quinta (7).

O DataPoder360 não incluiu Lula no questionário e fez 10.500 entrevistas por telefone em 349 cidades, entre os dias 25 e 31 de maio. ​O resultado mostrou Bolsonaro com patamar entre 21% e 25% da preferência dos eleitores, Ciro entre 11% e 12% e Fernando Haddad (PT), 6% e 8%. Marina e Alckmin estavam empatados, oscliando entre 6% e 7%.Bolsonaro diz que o DataPoder360 o colocava "lá na frente e, no segundo turno, ganhando de todos os demais pré-candidatos, com larga margem de diferença".

"Vem hoje, o Datafolha, que todos nós conhecemos, falando exatamente o contrário: estou bem pra baixo e, no segundo turno, perderia pra todo mundo", afirmou.

Mauro Paulino, diretor-geral do Datafolha, diz que as duas pesquisas são incomparáveis."Não é possível comparar uma pesquisa presencial, como a que o Datafolha faz, enviando profissionais para entrevistar as pessoas face a face, com uma pesquisa feita por robôs telefônicos", afirma. Nas sondagens de intenção de voto, o instituto só faz entrevistas pessoalmente.

O DataPoder360 também afirma que é impossível comparar pesquisas com metodologias diferentes.A pesquisa Datafolha foi financiada por recursos próprios. A nota fiscal e o questionário conduzido pelos entrevistadores estão disponíveis para consulta pública na página do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

O Datafolha mostra cenários de empate técnico no segundo turno, considerando a margem de erro de dois pontos percentuais. As exceções são os casos em que Lula está na disputa -ele venceria em todas as combinações- e o de Marina Silva, que também lidera no segundo turno com cerca 42% da sintenções de voto.

Na disputa com Ciro, Bolsonaro tem 31% e o pedetista, 31%. O deputado federal empata com Alckmin (33%), perde para Marina (42% a 32%) e só abre vantagem contra Haddad (36% a 27%).

Nas simulações de segundo turno do DataPoder360, o presidenciável do PSL lidera com cerca de 10% de diferença para seus concorrentes.Com informações da FolhaPress .