domingo, 30 de agosto de 2015

Wesley safadão. A metamorfose da "safadeza"

A safadeza não é mais a mesma. Antes espichado à força de maquinário estético, o cabelo encurtou, empoleirando-se num coque em estilo samurai.O figurino se sofisticou – o espalhafato das camisas e calças em cores berrantes cedeu lugar a uma indumentária mais jovial. O repertório gestual também se modernizou: o manquejado repetitivo do dois pra lá e dois pra cá foi aposentado por gingados e coreografias.E se, no início da carreira, o cancioneiro não tinha um horizonte estético além do já gasto trinômio mulher/bebida/farra, agora inclui a dor de cotovelo e a narrativa de superação do homem rejeitado. Para completar a metamorfose, Wesley Oliveira da Silva, vocalista da banda Garota Safada, engoliu o nome do grupo, e o “Vai, Safadão” se tornou o grito de guerra mais ouvido entre fãs do gênero no Brasil. A alquimia do sucesso se completa com outra mudança - o cachê. Hoje, é passado o tempo das vacas magras e shows em inferninhos de Aracoiaba, no interior cearense, terra da família Oliveira – a mãe de Wesley é vice-prefeita da cidade e o pai, presidente da Câmara dos Vereadores. Ficaram para trás também os anos em que a banda fazia apresentações no Tremendão, em Messejana, clube onde, aos 15 anos, o cantor debutou para o forró depois de uma noite decorando o setlist num walkman emprestado pela tia. Foi um sucesso.




Fonte O Povo